top of page

Desenvolvimento profissional das pessoas com deficiência é dever de todos

Artigo publicado na Folha de São Paulo em TENDÊNCIAS / DEBATES em 22 de agosto de 2022.


Desenvolvimento profissional das pessoas com deficiência é dever de todos.


Empecilhos desencorajam PcD a capacitar vocações e buscar formação técnica.

O drama da reduzida taxa de ocupação de pessoas com deficiência (PcD) aflige indistintamente os países.


As barreiras à contratação desses profissionais não se restringem à inadequação para as ocupações disponíveis e à falta de qualificação. Há muitas outras associadas à cultura das empresas – e da própria sociedade -, que se refletem no pouco conhecimento dos setores de recursos humanos para seleção e compatibilização da vaga às habilidades funcionas dos indivíduos; a visão assistencialista e de incapacidade, que dificulta a devida valorização dos profissionais; e o pouco conhecimento sobre tecnologias assistivas e as possibilidades de adaptação e suporte ao ambiente de trabalho.


Diante de tantos empecilhos, muitos são desencorajados a desenvolver suas vocações e a buscar maior formação. No emprego com carteira, 18,9% das PcD têm ensino superior, ante 23,4% para os demais.


O difícil quadro econômico do país é sério agravante, pois crises econômicas geralmente impactam mais esse grupo. Enquanto em 2019 1,21% dos empregados com carteira eram PcD, agora são 1%. Considerando que 4,5% da população em idade ativa tem deficiência, conclui-se que o grupo está bastante sub-representado no mercado formal de trabalho.

Há, certamente, muito trabalho a ser feito para consolidar o avanço trazido pela Lei de Cotas, de 1991. Em tempos de princípios ESG no mundo de negócios, não podemos perder a chance de fazer a coisa certa e dar oportunidade de trabalho e desenvolvimento profissional para essas pessoas. Pesquisas internacionais sobre o emprego de PcD apontam efeitos positivos sobre a lucratividade das empresas em razão de fatores como melhora de imagem institucional da companhia, maior lealdade dos funcionários e fidelidade de clientes e fornecedores.


O governo do estado de São Paulo lançou em setembro de 2019 o programa Meu Emprego Inclusivo, que tem como objetivo promover a inclusão e o desenvolvimento profissional desses indivíduos, permitindo assim maior autonomia financeira.


Com base em recomendações mundiais, o programa integra ações junto a indivíduos e empresas, incluindo busca ativa de candidatos; entrevistas de habilidades, competências e interesses profissionais; qualificação profissional; orientação para os processos seletivos; suporte às empresas, de modo a identificar oportunidades e também dirimir barreiras atitudinais e de acessibilidade no ambiente de trabalho; e suporte pós-inclusão para a permanência dos indivíduos no trabalho.


Sua principal estratégia foi a criação de Polos de Empregabilidade Inclusiva (PEIs) espalhados pelo estado, sendo 17 em operação. Há importante trabalho na formação técnica e qualificação customizada dessas pessoas, em diferentes modelos de política pública, como o Via Rápida (cursos de curta duração) e o Minha Chance, que permite o trabalho de PcD nas empresas, associado a cursos de qualificação.

O programa conta atualmente com mais de 5.900 pessoas entrevistadas. Dos quase 2.500 candidatos encaminhas neste ano, menos de 400 foram incluídos. Cifra modesta, considerando que o estado tem 1,7 milhão de PcD em idade produtiva (16 a 59 anos) e apenas 150 mil com emprego com carteira.


Nossa missão é aprimorar as políticas públicas para melhorar esses números. Para tanto, buscamos reforçar as parcerias com entidades do terceiro setor especializadas na área para potencializar a busca ativa de candidatos e capacitar e apoiar os profissionais de RH para o atendimento e inclusão das PcD. Um grande desafio é estreitar o laço com as empresas – atualmente são pouco mais de 300 parcerias -, não apenas para abrirem oportunidades a esses profissionais, mas para que os cursos de qualificação técnica sejam adequados às suas demandas.


Esperamos contar com a colaboração de entidades empresariais, bem como órgãos da administração pública e de toda a sociedade.


Aracélia Costa e Zeina Latif

Secretária dos Direitos da Pessoa com Deficiência do estado de São Paulo

Secretária de Desenvolvimento Econômico do estado de São Paulo


34 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page